domingo, 29 de julho de 2007

Actualmente






Enquanto dormes penso em ti...“eu vou contigo meu amor”, era o que queria fazer, o que mais queria. Não conseguia dormir porque pensava na solidão e saudade. É doença do amor.
(...)
(...)Agora
Vejo-te partir. O teu cheiro desaparece, perco os teus olhos verdes, castanhos e cinzentos, o teu tamanho diminui, o teu sorriso some. Dás outro passo e desapareces num segundo. Acho que nunca me tinha sentido assim tão vazio.
(...)
(...)
Aguardo todas as noites que voltes para mim
Aqueles abraços e beijos, a ternura de mais uma fotografia mental.
és o meu enquadramento favorito.

2 comentários:

Fotografia entre nós disse...

adorei !! adorei !! adorei!! está cheia de sentimentos , estado de espirito e lembranças .
kel

Helena disse...

As coisas acontecem e nós nem damos conta... ou damos? E quando elas sabem bem e não devemos?? Fugimos?? PqÊA? A razão é como que descartada, excluída de um rumo que segue... segue comandado por momentos... momentos esses que sabes como valorizá-los. Esse valor atribuído faz-me guardar-te e recordar-te todos os dias...
Oiço-te ... sabe bem ...
Surgiste silenciosamente, aos poucos e agora tas cá dentro, mergulhaste no meu mundo, quando ele estremecia... acalmaste-o, com gestos, palavras e sensações que por vezes tenho medo que acabem, mas no fundo sinto que não são passageiras. Arriscaste... e consequentemente fizeste-m saborear esse risco.. que uma vez pisado agora dificilmente será anulado. Será que eu quero que seja??... Eis a questão que todos os dias me faço. Mas conquistas-m com estes teus gestos ADOREI...
GMMDT